segunda-feira, 9 de abril de 2012

Um Ciclista Anônimo

Receio que o que me atrai nesta cena em Montevideo possa não atrair mais ninguém.
A imagem não atende nenhum padrão vigente que a torne razoável sob o aspecto fotográfíco.
Para mim, no entanto, tem um valor próprio.
O ciclista da cena puxa um reboque no qual carrega coisas importantes para ele.
Não pude definir bem se utensílios e pertences ou lixo que coleta.
Mas é Sexta-Feira Santa e pelas ruas vazias da Ciudad Vieja este homem , enquanto a cidade dorme, movimenta-se à busca de seu sustento e dos que possam depender de suas pedaladas.
O valor da foto, para mim, está também no fato de que tive que correr para chegar na esquina a tempo de registar sua passagem já meio desaparecendo. Mas acho que não corri o suficiente,  por isto a figura do ciclista já quase saindo do quadro.
Agora, cada vez que olho para o seu vulto na foto fico pensando: eis aí , como não poderia haver outro tão marcante , um autêntico ciclista anônimo. 

2 comentários:

  1. Belíssimo texto, belíssima foto, P.R.
    Sensibilidade, imagem e excelente narrativa.
    Janie Cristine

    ResponderExcluir
  2. Ciclistas Anônimos12 de abril de 2012 14:13

    É apenas um registro. O que vale, se algo vale,é a urgência que senti de fazê-lo e tê-lo obtido. Sinto-me , de um lado, recompensado por ter tido a agilidade de captar a cena e, dentro dela, ainda constar o ciclista. Se a fotografia registra, como dizem um momento, este momento já estava escapando.Mas consegui pegá-lo pela cola.De outro lado, no entanto,sinto-me incapaz de ter qualquer tipo de interferência sobre este momento e passo, da ação material de produzir a foto, para uma forma de nostalgia daquilo que passa por nós fugazmente.

    ResponderExcluir

Talvez não saiba mas pode ser que tenhamos, em outros momentos, pedalado juntos. Pedalado em todos os terrenos que a bicicleta propicia entre eles os da criação e participação. Se chegou até aqui é quase certo que sim.Escreva seu comentário. Ele é parte fundamental deste processo.